Na Rússia, seleção de ginástica rítmica fica em 7º em etapa da Copa do Mundo

Kazan, Rússia – A seleção brasileira de ginástica rítmica fez bonito e teve um balanço positivo na primeira competição internacional do novo ciclo olímpico, para Tóquio-2020. Na Copa do Mundo de Kazan, na Rússia, a seleção de conjunto fez neste domingo as finais de cinco arcos e terminou na sétima posição (15,250), à frente de equipes de peso como a Espanha, vice-campeã olímpica.

Além disso, Natália Gaudio, que retorna de lesão, havia ficado na reserva da prova de fita, um feito muito importante também para a seleção individual.

O conjunto formado por Alanis Avila, Francyelly Pereira, Gabrielle Silva, Heloísa Bornal, Jessica Maier, Marine Vieira, Thainá Santos e Thaís Santos, é acompanhado pela treinadora Camila Ferezin e pela assistente técnica Bruna Rosa. O grupo teve uma parte renovada esse ano e, por isso, o resultado torna-se ainda mais especial.

“Começamos o ciclo da melhor forma possível chegando em uma final de uma Copa do Mundo importante do calendário da Federação Internacional (FIG). O pouco tempo que tivemos de preparação foi superado por muita dedicação, força de vontade, estratégia e foco. E para fechar com chave de ouro essa Copa do Mundo, conseguimos subir mais uma posição na final do conjunto de cinco arcos, terminando na sétima colocação, à frente da Espanha, vice-campeã olímpica”, avaliou a técnica do conjunto, Camila Ferezin.

A Copa do Mundo de Kazan antecede o compromisso mais importante da modalidade este ano – o Mundial de Pesaro, na Itália, com início no dia 30 deste mês. Antes de seguir para a Itália, as atletas do conjunto e individual fazem uma parada na Bulgária, onde seguirão em treinamento. “Agora é seguir trabalhando de forma intensa nessas duas semanas de aclimatação na Bulgária para chegarmos bem no Campeonato Mundial em Pesaro, na Itália”, acrescentou Camila Ferezin.

No individual, o Brasil foi representado não só por Natália Gaudio, mas também por Karine Walter, que estiveram acompanhadas pelas técnicas Mônika Queiroz e Gracieli Morais. “Ficamos muito felizes pelo resultado da fita. Foi algo inédito. Não esperava tanto porque depois de ter voltado de uma lesão, conquistar um resultado como esse é um ótimo incentivo para continuar firme e forte para trazer coisas ainda melhores”, declarou Natália.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *